sexta-feira, 9 de setembro de 2016

SHOFTIM - JUÍZES



SHOFTIM - JUÍZES
Deuteronômio: 16: 18 a 21: 9 
Isaías 51:12 a 52:12
Atos 3: 22 a 23

Deuteronômio 16: 18 - "Juízes e oficiais constituirás em todas as tuas cidades que O Eterno, teu Deus, te der entre as tuas tribos, para que julguem o povo com reto juízo. 

SHOFTIM, SHARUTIM, SARIM, ZAQNIM VECOHANIM - Juízes, Oficiais, Capitães, Anciãos e Sacerdotes.

Longe de mim, a pretensão de mudar o nome de uma Parashá aceita há milhares de anos! Porém a Parashá desta semana mais do que estabelecer os Juízes - SHOFTIM, estabelece a "LONGAMANUS" - A Mão Longa, da Justiça de Deus que não só estabelece as Leis, mas, torna-se uma via de duas mãos, para que as pessoas no seu dia a dia possam buscar equilíbrio em suas relações através de juízos para suas causas quando surgirem desacertos no convívio social. Também vemos nestas funções estabelecidas por Deus a execução dos juízos, a manifestação da Justiça no meio do povo, no seu dia a dia, ou nas naturais instabilidades que surgem na vida de qualquer pessoa.

A Justiça é um Atributo do Nosso Deus e por isso manifesta-se em toda a Criação e em nós, criados à Sua Imagem e conforme a Sua Semelhança, porém infelizmente O Pecado, trouxe a nós seres humanos, características que jamais O Nosso Pai Eterno, desejou que estivessem em nós. 

O Estabelecimento dos Juízes e dos demais executores, e responsáveis pela presença da Justiça de Deus em todas as relações sociais do povo de Israel, foi estabelecida, como um mecanismo do próprio Corpo de Israel, da própria Kahal Israel, a Comunidade de Israel, propriamente dita, mas, de forma impessoal. Pessoas nas gerações ocupariam estas funções, para estabelecer A Justiça de Deus no meio do povo, mas, num exemplo ainda sobre o Corpo Humano, poderiam ser comparados aos anticorpos contra todo o mal que pode querer se manifestar trazendo enfermidades para o próprio corpo.

Sabemos hoje quem foram alguns juízes importantes, alguns sacerdotes famosos, alguns anciãos de Israel, mas, sabemos pela história, porém cada um deles cumpriu em seus dias O Propósito e a Vocação de Deus para o que foram chamados já que: "Os Céus são os Céus do Eterno, mas, esta Terra deu-a aos filhos dos homens" - (Salmo: 115:16)

A Justiça de Deus, sua Autoridade e Governo se manifestarão entre as pessoas através dos seres humanos, personagens do Seu povo a quem Ele investirá de Autoridade para que lhe executem os seus Juízos e a Sua Justiça.

Os Juízes e todos os outros sobre quem repousa a Autoridade de Deus, são homens, e por causa do Pecado são falhos e tendenciosos ao erro e por isso, ninguém pode considerar de si mesmo mais do que deve. A Justiça de Deus praticada entre os irmãos, necessariamente precisa ser fruto de um coração grato a Deus e temente ao Eterno: "TSEDEK TSEDEK TERADAF" - ("Justiça, Justiça seguirás" - Dt. 16: 20)

A impessoalidade da função dos Shoftim, Sharutim, Sarim, Zaqnim e Cohanim, é uma maneira de preservar a Justiça de Deus já que transcende a personalidade de quem exerce a função, para se perpetuar como um instituto um mecanismo de Deus para que Sua Bondade e Amor sejam manifestos entre nós através da Sua Justiça.

Extirpar a idolatria do meio do povo de Deus e todas as pessoas que praticarem esta maldade; fazer com que os juízos estabelecidos pelos sacerdotes e juízes mediante a Palavra de Deus sejam cumpridos; os cuidados para com os levitas e sacerdotes, escolhidos por Deus para servirem O Eterno, e serem zelosos pela Torah e o seu cumprimento; cuidar do juízo contra o assassino e também do refúgio para quem infelizmente sem culpa ferisse de morte a outro, livrando-o do Vingador de Sangue; advertir a todos os que iam para a Guerra sobre os riscos e os cuidados; estabelecer os capitães sobre os exércitos de Deus; todas estas coisas eram funções dos juízes e oficiais que executavam as Leis e Deus, porém há no meio desta Parashá algo que destoa destes valores tão preciosos estabelecidos por Deus:

"Quando entrares na terra que te dá O Eterno, teu Deus, e a possuíres, e nela habitares, e disseres: Estabelecerei sobre mim um rei, como todas as nações que se acham em redor de mim,..." (Dt. 17: 14)

O que leva o povo de Deus a querer ser como "todas as outras nações"?

Toda a autoridade procede de Deus. E Deus escolhe e estabelece reis, juízes, autoridades, sobre o seu povo e também sobre as nações da Terra. Também as nações da terra possuem os seus governantes, e toda autoridade provém de um só lugar, do Criador dos Céus e da Terra, fonte de toda Autoridade, por isso, não há autoridade que não seja constituída por Deus, mas, a autoridade delegada, será exercida no livre arbítrio de cada homem, dentre o povo de Deus e também nas nações.

Há tantas nações que servem a demônios e jamais voltaram-se ao Nosso Deus, e os seus governantes e os seus príncipes, muitos deles intitularam-se por deuses e receberam adoração como os faraós, os césares, e tantos outros na história, mas, a todos eles, O Nosso Deus os inclina para que a Sua Vontade seja feita. 

Deus estabelece reis e os faz cair! Deus usa reis e povos para trazer juízo a outras nações e reis. Porém, querer ser como as outras nações ainda nos parece algo absurdo!

Absurdo e ao mesmo tempo, difícil de se ter um paradigma de como seria se Deus governasse sobre O Seu povo. As referências bíblicas que temos narradas no Livro dos Juízes é de altos e baixos, pois o povo de uma maneira geral dava as costas para Deus e por conta disto o povo era oprimido por outras nações, até que Deus levantava um Juíz, que além de julgar o povo acabava por lhe trazer livramentos.

O Livro de Juízes termina dizendo isso: "Naqueles dias, não havia rei em Israel; cada um fazia o que achava mais reto."Jz. 21:25  - ou seja, era uma bagunça! Cada um fazia o que melhor lhe parecia... E a resposta era: "Queremos um rei!"

O problema é a falta de um rei, ou a falta de temor e de obediência ao Senhor?

Quando um pai diz ao filho: Não faça isso filho, porque tal coisa, não é boa para você. Se o pai não estiver presente e o filho fizer tal coisa, a culpa é do pai ausente, ou do filho que verdadeiramente não atentou para a orientação do pai. Precisamos ser tutelados para fazermos o que é certo?

Se há radares andamos na velocidade correta, mas, se não há infringimos os limites estabelecidos? Uau, que difícil isso não é? Um exemplo que pega todo mundo!

As leis de Deus e e os executores de sua Justiça não são suficientes para que vivamos em paz uns para com os outros, sabendo que se tivermos uma situação difícil, certamente seremos acolhidos e cuidados por Deus através de suas autoridades, não nos basta?

Queremos um rei!
Queremos um presidente da república cristão!
Queremos que aquele partido caia e aquele outro ocupe o espaço! Queremos que nossos filhos ocupem cargos públicos e sejam bem democráticos; queremos que nossos filhos estudem direito e sejam bons magistrados; queremos enfim ser como as nações da Terra, e sem usar tais palavras, porque seriam duras demais... QUEREMOS NOS AFASTAR DA SOBERANIA DE DEUS!!!!

Quando nós queremos ser como as outras nações da Terra, temos que torcer muito para que "Os reis" sejam como David, um rei segundo O Coração de Deus, mas, ainda correremos o risco do rei (porque é homem), se engraçar com a nossa mulher e nos mandar para a morte...

Ou pior, podemos ter um rei como Saul...

Ou pior... Será possível? 

Um rei que vai multiplicar os seus cavalos; que vai para o Egito; que vai multiplicar as suas mulheres; que vai multiplicar as suas riquezas... De quem estamos falando?

Parece que a descrição dos riscos e das advertências aos possíveis reis que o povo desejaria sobre si, recaem todas em Salomão. Ele multiplicou seus cavalos, casou-se com a filha do Faraó; Viu pela Mão de Deus em sua vida a multiplicação sobremaneira de suas riquezas mas multiplicou também suas mulheres... e com elas os seus deuses, os seus cultos pagãos, e o fim de Salomão é terrível, porque ele que tratou o povo com chicote, foi sucedido por alguém que queria tratar do seu povo com escorpiões... Este foi o seu filho Roboão de quem Deus tirou o reino de Israel e o dividiu em dois reinos.

"Todo homem esteja sujeito às autoridades superiores; porque não há autoridade que não proceda de Deus; e as autoridades que existem foram por Ele instituídas. De modo que aquele que se opõe à autoridade resiste à ordenação de Deus; e os que resistem trarão sobre si mesmos condenação. Porque os magistrados não são para temor, quando se faz o bem, e sim quando se faz o mal. Queres tu não temer a autoridade? Faze o bem e terás louvor dela, visto que a autoridade é ministro de Deus para teu bem. Entretanto, se fizeres o mal, teme; porque não é sem motivo que ela traz a espada; pois é Ministro de Deus, vingador, para castigar o que pratica o mal." (Rom. 13:1 a 4)

Paulo escreve para os cristãos em Roma, e certamente lá havia judeus entre eles, mas a maioria era de não judeus, e todos eles morando na Polis de Roma, sob o Governo do Imperador Cesar; sob a tutela do Senado e baixo o tacão do exército de Roma... para todos eles Paulo escreve que toda a autoridade provém do Nosso Deus.

Yeshua, O Rei dos reis, se submete ao julgamento de Pilatos, governador romano, e lhe diz que ele não teria autoridade que não tenha recebido de Deus. Jesus, Santo, estava ali recebendo sobre Ele as nossas iniquidades, os nossos pecados, as nossas maldições, as nossas enfermidades... Bem disse Pilatos que não via em Jesus, culpa alguma, mas a multidão decidiu crucificar Jesus, com o mesmo direito democrático que tem em eleger presidentes e reis sobre si...

Escolhemos a Barrabás, como escolheram no Brasil os últimos presidentes. O que dói é que O Povo que é chamado pelo Nome do Senhor, e que vive como viviam os cristãos em Roma, sujeitos a todo tipo de impropério e da injusta acusação de Nero que condenou os cristãos à morte, pela acusação de terem incendiado Roma... Não importa se pelas mãos de Pilatos, ou de Nero, muita injustiça seja feita contra nós povo de Deus... O SENHOR REINA!!!!

Quando o povo de Deus quer ser como as outras nações da Terra, o fim é que os desmandos e os pecados dos governantes que escolhemos, mesmo dentro do povo de Deus serão A LONGAMANUS de Deus, para nos punir, para nos julgar e para nos trazer juízo, enquanto, ainda que perseguidos, muitos mortos, afrontados, ridicularizados permanecermos em Deus e suas Palavras, seus juízos, suas autoridades, estiverem presentes em nossas vidas...

"Se permanecermos em Mim, e as minhas palavras permanecerem em vós, pedireis o que quiserdes, e vos será feito. Nisso é glorificado meu Pai, em que deis muito fruto; e assim vos tornareis meus discípulos." 
(Jo. 15: 7 e 8)

Pastores, Presbíteros, Diáconos... 
Cohanim, Zaqnim, Sharutim, quando ouvimos a Deus, quando nos deixamos instruir, quando descobrimos prazer na disciplina por causa do Amor, quando aprendemos a respeitar a nossos pais, professores, diáconos, presbíteros, pastores, pessoas mais velhas, nossos tios e avós, estas pessoas que Deus põe em nossos caminhos pra manifestar O Seu Governo em nós, estamos aprendendo obedecendo a no futuro exercer autoridade com equidade e justiça.

Quem é fiel no pouco, sobre o muito será colocado! Deseje, busque de novo, se arrependa de ter deixado O Senhorio de Cristo em tua vida. Seja humilde, seja submisso, seja justo, seja de Deus...

O último trecho desta Parashá é de uma profundidade tão grande que nos falta muitas vezes capacidade de compreensão... Cada um de nós é importante! Cada um de nós acaba sendo responsável uns pelos outros, porque na verdade é assim que O Nosso Deus manifesta (através da LONGAMANUS) - Sua Mão estendida e manifestada através de nós O Seu povo, sua misericórdia, sua justiça, seu amor, enfim, sua Paternidade sobre todos nós. 

O trecho cita a possibilidade de alguém ser achado morto, fora de uma cidade, sem que ninguém tenha visto como tal pessoa foi morta...

A orientação é que os anciãos e os sacerdotes das cidades mais próximas, pudessem verificar de qual cidade tal pessoa achada morta estava mais próxima. Esta medição era feita com a faixa que estava na cintura dos sacerdotes. Esta faixa tinha 32 côvados. Um côvado é a medida em média que vai do cotovelo ao punho. A Palavra LEV (Coração) é representada pelo número 32, que é a somatória das letras em hebraico. O que isso quer dizer: Imaginem só os sacerdotes e anciãos de duas cidades que tinham que medir as distâncias do corpo morto até as duas cidades para identificar qual cidade estava mais próxima... Quanto trabalho!

Depois de se identificar a cidade mais próxima, os anciãos desta cidade precisavam tomar uma Novilha que nunca recebeu jugo e levarão esta novilha até um vale de águas correntes que nunca tenha sito cultivado ou lavrado, e lá os anciãos (irmãos mais velhos, presbíteros, pessoas de idade avançada), vão destroncar a cabeça da Novilha... IMAGINEM A FORÇA QUE SE FAZ PARA SE DESTRONCAR UMA BOI...

Depois os Sacerdotes se achegarão como testemunhas de Deus, e verão os anciãos lavarem suas mãos sobre a Novilha destroncada, para que o sangue inocente seja remido... Tudo isso, por causa de alguém que morreu e que ninguém deu conta...

Cuidar de gente dá trabalho... Muito trabalho!
Todas as pessoas são importantes! Cada uma delas...

"Os Céus são os Céus do Eterno, mas, esta Terra, deu-a O Eterno aos filhos dos homens" - Sl. 115:16

Se submeta hoje às autoridades constituídas por Deus em sua vida, e um dia quando Deus te constituir como autoridade, cuide das pessoas, faça o trabalho de Juiz, Oficial, Sacerdote, Ancião ou Capitão, com amor, porque a Autoridade que exercemos não vem de nós... o reconhecimento de algum mérito nosso, precisa ser tributado a Deus, com a Honra e Glória devidas ao Seu Nome, por que tudo é Dele e para Ele para sempre!

Todo o trabalho feito pelos anciãos, todo o sacerdócio, não pode ser feito apenas por obrigação, mas, como a medida do cinto dos sacerdotes apontam para o coração, entendemos que o trabalho precisa ser feito: "DE CORAÇÃO!"



"KI MITZION TETZEH TORAH U'DEVAR ADONAI MIYERUSHALAIM"

KI MITZION TETZEH TORAH
U´DEVAR ADONAI MIYERUSHALAIM!
(Porque de Sião virá a Lei e a
Palavra do Eterno de Jerusalém!)


Paulo de Tarso, Apóstolo
Igreja Apostólica Betlehem