quinta-feira, 28 de setembro de 2017

YOM KIPUR - HAAZINU - OUÇAM!


"Ouçam Céus e falarei; dê ouvidos Terra às palavras da minha boca" - Dt. 32:1

É uma coincidência que nos dias que antecedem YOM KIPUR, a leitura da Torah que se reinicia a cada ano em SUCOT (Festa de Tabernáculos), reserve justamente a porção HAAZINU (Ouçam)? 

Ou cuidadosamente neste tempo em que o Shofar está tocando o Teruah, (o toque que chama o povo ao arrependimento), chamando as pessoas para voltarem-se para Deus, nossa atenção e de todo o Mundo está sendo despertada para nos voltarmos para o que o Deus Vivo e Verdadeiro nos disse? 

Verdades que estão ecoando pelos séculos, até que toda sua Palavra se cumpra.

Há dois cânticos conhecidos escritos por Moisés: 

O primeiro, que narra tudo o que O Eterno fez para livrar o seu povo do Egito e da Casa da Servidão, tão precioso! Será cantado no Céus diante de Deus, juntamente com o Cântico do Cordeiro: "Vi como que um mar de vidro, mesclado com fogo, e os vencedores da besta, da sua imagem e do número do seu nome, que se achavam em pé no mar de vidro, tendo harpas de Deus; e entravam o cântico de Moisés, servo de Deus, e o cântico do Cordeiro, dizendo: Grandes e admiráveis são as tuas obras, SENHOR Deus, Todo Poderoso! Justos e Verdadeiros são os teus caminhos, Ó Rei das nações!" (Ap. 15: 1 a 3)

Há porém um cântico que Deus ordenou que fosse cantado de geração em geração dos filhos de Israel, este Cântico de Moisés, aparentemente esquecido precisa ser cantado na Terra!

"Escrevei para vós outros este cântico e ensinai-o aos filhos de Israel; ponde-o na sua boca, para que este cântico me seja por testemunha contra os filhos de Israel." (Dt. 31: 19)

Uma curiosidade incrível é que não obstante haverem tantas melodias conhecidas em todo o Mundo, de trechos da Torah, melodias como: MA TOVU, (por exemplo), melodias que nos ajudam a gravar as Palavras que foram ditas. Não há uma melodia conhecida para HAAZINU.

É notório entre todos, que tudo o que se grava como canção não se esquece jamais. Este método estabelecido por Deus, e tão usado por todos nós, para nossa vida acadêmica mesmo, no nosso dia a dia, com canções que os nossos pais cantavam quando éramos bebês e que ainda lembramos, porém, o Cântico de Moisés, que deveria ser cantado por todas as gerações dos filhos de Israel, por alguma razão (que desconhecemos)... Não é cantada!

Será que é porque Moisés inicia dizendo: "Procederam corruptamente contra Ele, já não são seus filhos, e sim suas manchas;"?

As palavras tão duras de Moisés têm uma razão, há uma explicação, pois pouco antes de Deus o chamar, já que o seu tempo chegara ao fim, (ele não passaria para o outro lado do Jordão para a Terra de Israel). Deus lhe diz o que vai ocorrer com o seu povo depois de sua morte, quando O Eterno os levar a possuir a Terra Prometida: "Disse o ETERNO a Moisés: Eis que estás para dormir com teus pais; e este povo se levantará, e se prostituirá, indo após deuses estranhos na terra para cujo meio vai, e me deixará, e anulará a aliança que fiz com ele. Nesse dia, a minha ira se acenderá contra ele; desampará-lo-ei e dele esconderei o rosto, para que seja devorado; e tantos males e angústias o alcançarão, que dirá naquele dia: Não nos alcançaram estes males por não estar o nosso Deus no meio de nós? Esconderei, pois, certamente, o rosto naquele dia, por todo mal que tiverem feito, por se haverem tornado a outros deuses." (Dt. 31: 16 a 18)

Parece que hoje em dia a situação é a mesma! Não gostamos de palavras que nos confrontem. Não gostamos de nos ver em situações em que estamos completamente errados, não há justificação pelo que praticamos e estamos totalmente sujeitos às críticas, à vergonha, à exposição, ao custo do nosso erro, às perdas, ao sofrimento, à angústia, e o que fazemos?

Não queremos ouvir coisas que nos façam lembrar momentos assim, e se passamos por momentos como estes usamos dos subterfúgios das desculpas, das razões para isso ou aquilo, da mentira para esconder os erros e pecados, continuamos nos escondendo de Deus com folhas de figueira, para cobrir uma nudez e uma vergonha totalmente exposta diante dos Olhos do Nosso Pai.

Se filhos, não há vergonha diante do Pai! Se há vergonha é porque não são filhos mesmo... SÃO MANCHAS! Que duro!!!!

É para ser duro mesmo! É para nos fazer chorar mesmo! Para nos dobrar mesmo! Para nos levar ao arrependimento mesmo! Para dizer que o que nos resta se permanecermos neste caminho é a Morte e o Inferno!

Muitas pessoas sendo despertadas para as Festas Bíblicas, as Festas do Cordeiro, se perguntam: "Como celebramos o Yom Kipur?" - Não celebramos! Choramos.

Não é uma festinha, é um funeral... Um funeral de nós mesmos!

O velho homem que ainda insiste em falar, sugerir coisas, se manifestar, precisa morrer! Não fazemos isso de boa vontade, o Pecado que habita em nós, luta contra as coisas do Espírito e então a Morte luta contra a Vida, e para o lado que pender o nosso coração um dos lados ganhará e o prêmio será a minha vida ou a sua... Cada um dentro de si mesmo, participa desta disputa! O Ganhador leva o prêmio, ou para o Inferno ou para o Céu... Quem decide quem ganhará e quem levará o prêmio somos nós mesmos... 

Disque então agora para Morte... mas, se você está querendo que a Vida vença então ligue para... Parece um destes programas de Reality Show... Somos nós que vamos decidir quem vence... Um voto só. O da carne para a Morte, ou do nosso espírito para a Vida.

Curioso é que os homens podem tentar abafar a Voz de Deus, para não ouvirem aquilo que não querem, mas, Deus vai continuar nas gerações, usando homens e mulheres para que haja "testemunho", como Ele disse a Moisés de Sua Palavra.

No século XVIII nos Estados Unidos da América, Deus usou um pregador chamado Jonathan Edwards, que foi avivado com uma palavra do Cântico de Moisés HAAZINU para escrever e pregar o sermão: "PECADORES NAS MÃOS DE UM DEUS IRADO" (você pode ler a íntegra deste sermão clicando aqui).

Edwards inicia seu famoso sermão com o texto: "...a seu tempo, quando resvalar o seu pé"(Dt. 32:35). O impacto foi tão grande que as pessoas gritavam na Igreja e se seguravam nas colunas e nas paredes do salão com medo de cairem diretamente no inferno.

Um avivamento se deu, por conta do confronto que foi àquela geração, as Palavras de Edwards, simplesmente por que Ele ouviu, ele fez ecoar à uma geração que ouviu! HAAZINU! Ouçam!

É muito grave vivermos uma vida dissoluta, sem nos importarmos com Deus e então fecharmos os olhos neste mundo e abrirmos no Hades, lugar de sofrimento até que Diante do Grande Trono Branco, sejam todos os seres humanos que não foram achados inscritos no Livro da Vida lançados no Lago de Fogo, o Inferno, juntamente com Satanás, o Anticristo, o Falso Profeta, a Morte e o próprio Hades (o Inferno).

Viver sem se importar com Deus, viver frequentando uma igreja, dizendo-se cristão, evangélico, judeu, gospel, batista, pentecostal, messiânico, ou qualquer outro título que alguém queira usar, sem na verdade se importar com Deus, e de repente abrir os olhos e se ver no Inferno é uma CALAMIDADE! 

É tempo de arrependimento! O Yom Kipur é este dia!

No passado, o Sumo Sacerdote levava até o Santo dos santos, sangue de sacrifícios, por ele e pelo povo; levava o incensário para encher de fumaça de adoração o Local do Encontro, e então, quando a carne sumia no meio da Fumaça e um homem vestido com as vestes que apontam para o MASHIACH GLORIFICADO, invocava o Nome do Eterno, Deus se manifestava e recebia a adoração e o sangue do sacrifício que apontava para o Sacrifício que Jesus, fez antes da Fundação do Mundo e que consumaria na Cruz do Calvário. E então Deus perdoava os pecados do povo!

"Sem derramamento de sangue não há remissão de pecados". (Hb. 9:22)

Yeshua, (Jesus), o Sumo Sacerdote da nossa confissão, de uma vez por todas, entrou no Tabernáculo Eterno, não feito por mãos humanas, mas, o próprio Monte Santo do Senhor, e lá levou o seu próprio Sangue, para a remissão dos nossos pecados!

Não há maior amor que esse! Moisés dizer a cada um de nós: "Vocês não são filhos, são minhas MANCHAS", e Yeshua, por Amor de nós, ter se entregue até a morte, MORTE DE CRUZ, indo ainda para o Inferno no nosso lugar, só então quando por sua Piedade, O Espírito de Vida o Ressuscitou para que Ele pudesse se apresentar ao Pai novamente levando o Sacrifício Perfeito. Sua Vida, no lugar da nossa! ISSO É O VERDADEIRO AMOR!

Não existe compreensão para a profundidade deste AMOR... Se Deus que é infinito, pudesse ser medido, a maior parte seria de Amor... pois é impossível entender, compreender, assimilar, agradecer... É impossível agradecer a Deus por esse amor.

Fica tão claro então que não somos nós; que não merecemos mesmo! Que somos indignos sim! QUE DESESPERADAMENTE PRECISAMOS DE AJUDA!

DEUS, NOS AJUDA! PERDÃO! PERDÃO! PERDÃO! PERDÃO! PERDÃO! PERDÃO! PERDÃO... Pecamos, mentimos, maltratamos, roubamos, prostituímos, assassinamos, maldizemos,... a lista é muito grande!

OUÇA! HAAZINU!

(Conte, cante.. ensine para seus filhos e para as futuras gerações, não apenas cante os louvores do Nosso Deus, mas, também Sua Justiça e seus Juízos que são todos puros, santos e justos)

Dt. 32: 1 a 43 - "Ouçam  Céus e falarei; dê ouvidos Terra às palavras da minha boca. Goteje a minha doutrina como a chuva, destile a minha palavra como o orvalho, como chuvisco sobre a relva e como gotas de água sobre a erva. Porque proclamarei o nome do SENHOR. Engrandecei o nosso Deus. Eis a Rocha! Suas obras são perfeitas, porque todos os seus caminhos são juízo; Deus é fidelidade, e não há nele injustiça; é justo e reto. Procederam corruptamente contra ele, já não são seus filhos, e sim suas manchas; é geração perversa e deformada. É assim que recompensas ao SENHOR, povo louco e ignorante? Não é ele teu pai, que te adquiriu, te fez e te estabeleceu? Lembra-te dos dias da antiguidade, atenta para os anos de gerações e gerações; pergunta a teu pai, e ele te informará, aos teus anciãos, e eles to dirão. Quando o Altíssimo distribuía as heranças às nações, quando separava os filhos dos homens uns dos outros, fixou os limites dos povos, segundo o número dos filhos de Israel. Porque a porção do SENHOR é o seu povo; Jacó é a parte da sua herança. Achou-o numa terra deserta e num ermo solitário povoado de uivos; rodeou-o e cuidou dele, guardou-o como a menina dos olhos. Como a águia desperta a sua ninhada e voeja sobre os seus filhotes, estende as asas e, tomando-os, os leva sobre elas, assim, só o SENHOR o guiou, e não havia com ele deus estranho. Ele o fez cavalgar sobre os altos da terra, comer as messes do campo, chupar mel da rocha e azeite da dura pederneira, coalhada de vacas e leite de ovelhas, com a gordura dos cordeiros, dos carneiros que pastam em Basã e dos bodes, com o mais escolhido trigo; e bebeste o sangue das uvas, o mosto. Mas, engordando-se o meu amado, deu coices; engordou-se, engrossou-se, ficou nédio e abandonou a Deus, que o fez, desprezou a Rocha da sua salvação. Com deuses estranhos o provocaram a zelos, com abominações o irritaram. Sacrifícios ofereceram aos demônios, não a Deus; a deuses que não conheceram, novos deuses que vieram há pouco, dos quais não se estremeceram seus pais. Olvidaste a Rocha que te gerou; e te esqueceste do Deus que te deu o ser. Viu isto o SENHOR e os desprezou, por causa da provocação de seus filhos e suas filhas; e disse: Esconderei deles o rosto, verei qual será o seu fim; porque são raça de perversidade, filhos em quem não há lealdade. A zelos me provocaram com aquilo que não é Deus; com seus ídolos me provocaram à ira; portanto, eu os provocarei a zelos com aquele que não é povo; com louca nação os despertarei à ira. Porque um fogo se acendeu no meu furor e arderá até ao mais profundo do inferno, consumirá a terra e suas messes e abrasará os fundamentos dos montes. Amontoarei males sobre eles; as minhas setas esgotarei contra eles. Consumidos serão pela fome, devorados pela febre e peste violenta; e contra eles enviarei dentes de feras e ardente peçonha de serpentes do pó. Fora devastará a espada, em casa, o pavor, tanto ao jovem como à virgem, tanto à criança de peito como ao homem encanecido. Eu teria dito: Por todos os cantos os espalharei e farei cessar a sua memória dentre os homens, se eu não tivesse receado a provocação do inimigo, para que os seus adversários não se iludam, para que não digam: A nossa mão tem prevalecido, e não foi o SENHOR quem fez tudo isto. Porque o meu povo é gente falta de conselhos, e neles não há entendimento. Tomara fossem eles sábios! Então, entenderiam isto e atentariam para o seu fim. Como poderia um só perseguir mil, e dois fazerem fugir dez mil, se a sua Rocha lhos não vendera, e o SENHOR lhos não entregara? Porque a rocha deles não é como a nossa Rocha; e os próprios inimigos o atestam. Porque a sua vinha é da vinha de Sodoma e dos campos de Gomorra; as suas uvas são uvas de veneno, seus cachos, amargos; o seu vinho é ardente veneno de répteis e peçonha terrível de víboras. Não está isto guardado comigo, selado nos meus tesouros? A mim me pertence a vingança, a retribuição, a seu tempo, quando resvalar o seu pé; porque o dia da sua calamidade está próximo, e o seu destino se apressa em chegar. Porque o SENHOR fará justiça ao seu povo e se compadecerá dos seus servos, quando vir que o seu poder se foi, e já não há nem escravo nem livre. Então, dirá: Onde estão os seus deuses? E a rocha em quem confiavam? Deuses que comiam a gordura de seus sacrifícios e bebiam o vinho de suas libações? Levantem-se eles e vos ajudem, para que haja esconderijo para vós outros! Vede, agora, que Eu Sou, Eu somente, e mais nenhum deus além de mim; eu mato e eu faço viver; eu firo e eu saro; e não há quem possa livrar alguém da minha mão. Levanto a mão aos céus e afirmo por minha vida eterna: se eu afiar a minha espada reluzente, e a minha mão exercitar o juízo, tomarei vingança contra os meus adversários e retribuirei aos que me odeiam. Embriagarei as minhas setas de sangue (a minha espada comerá carne), do sangue dos mortos e dos prisioneiros, das cabeças cabeludas do inimigo. Louvai, ó nações, o seu povo, porque o SENHOR vingará o sangue dos seus servos, tomará vingança dos seus adversários e fará expiação pela terra do seu povo."

YIRAT (יהוה) ADONAI MIKOR CHAIM!
O Temor do Eterno é Fonte de Vida! (Pv. 14:27)


Paulo de Tarso, apóstolo
Igreja Apostólica Betlehem